Nos dias atuais, o homem moderno tem os melhores ferramentais para auxiliar e facilitar seus trabalhos, transmitindo qualidade ao produto final, maior produtividade e alto ganho de tempo. Porém, se temos toda essa mecanização hoje, devemos agradecer aos nossos antepassados.

Foram eles quem, milhões de anos atrás, desenvolveram os primeiros instrumentos de corte, que foram evoluindo ao longo dos séculos e hoje são modernas serras fitas que facilitam a vida de qualquer um. Muitos dizem, inclusive, que as ferramentas de corte são o principal item evolutivo do ser humano.

Como a evolução das serras revolucionou a vida do homem moderno

Primitivos: pequenas técnicas de fabricação de ferramentas

Pesquisas realizadas na década de 50 encontraram na África diversas ferramentas que possivelmente tinham um milhão e setecentos mil anos. Tais ferramentas se pareciam com martelos e “choppers”, indicando que naquela época os primitivos já possuíam técnicas de fabricação de ferramentas.

Já no período Paleolítico, as ferramentas eram confeccionadas em pedra. Naquele momento, os seres humanos já tinham maior noção sobre tamanho e força (resultando na confecção dos cabos/alavancas das ferramentas de acordo com as necessidades que as mesmas deveriam atender).

Ainda na era Paleolítica, as ferramentas de corte variavam o tamanho da lâmina de 40cm a 1m de comprimento. Posteriormente, esses tamanhos foram variando dependendo das necessidades de nossos ancestrais, chegando ao período denominado Neolítico (Idade da pedra polida).

Utilização do Ferro: revolução no período neolítico

No período Neolítico houve uma das maiores revoluções relacionada à fabricação de ferramentas, já que nesta época o homem começa a dominar a técnica da fusão e do tratamento do ferro, começando a fabricar a própria matéria de que será feita a ferramenta. Nessa época o ferreiro começa a ter papel muito importante.

Em 3000 a.C. os egípcios começam a utilizar ferramentas, como serras, puas e formões, confeccionadas em bronze. Já o ferro começou a ser empregado pelos gregos, romanos e os povos nórdicos da Europa para produzirem utensílios domésticos, casas e embarcações.

Já na idade média, surgem as serras circulares, de funcionamento manual à manivela, que logo evoluíram para o acionamento a pedal. Estas foram consideradas as primeiras “máquinas madeireiras”.

Revolução Industrial e guerras napoleônicas contribuíram com o avanço das ferramentas

No século XVIII, tem inicio a Revolução Industrial, agregado a isso há grande interesse dos ingleses em aumentar sua frota marítima, decorrente das guerras napoleônicas. Assim, houve a patente da serra circular, em 1777.

Logo após, em 1808, houve o surgimento da serra de fita. Por fim, o aparecimento dos famosos “aços ingleses” contribuíram muito com a evolução técnica.

No século XX, as máquinas ficaram mais automatizadas havendo também o desenvolvimento de sofisticados sistemas de programação automática (fitas perfuradas, células óticas, circuitos impressos), tornando as máquinas ainda mais produtivas.

Na década de 80, com o surgimento dos computadores, foram desenvolvidas linhas completas de máquinas automáticas de produção contínua, que realizavam operações sucessivas em uma série de máquinas interligadas funcionando sem paradas.

Evolução das serras de corte facilitando a vida do homem

As ferramentas modernas de hoje são tão importantes para nós que, possivelmente teríamos dificuldade em trabalhar sem elas. Afinal, o que seria de um marceneiro sem uma serra fita para cortar peças de madeira ou um açougueiro sem esse instrumento para atuar no açougue?

A tecnologia de corte vem seguindo a evolução do homem, desde a pré-história até os dias de hoje. Os homens da pré-história adequaram sua utilização seja como armas, com a finalidade de abater animais para a sua alimentação, ataque ou defesa frente aos seus oponentes, proteção pessoal contra seus predadores naturais ou como simples ferramentas. Esse desenvolvimento tem se aprimorado ao longo dos séculos.

Com a revolução industrial, o homem que era um artesão, torna-se um operário. Com isso houve a necessidade de aumento da produtividade e diminuição do desperdício, dessa forma, foi criada a serra fita, que trazia maior eficiência, segurança ao operador e ganho de tempo.

Evoluímos muito quando o assunto é ferramentas de corte, mas certamente, daqui alguns anos, a tecnologia que temos hoje tenderá a ficar obsoleta e a evolução tecnológica é e sempre será assim – contínua!

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos! 

Gostou? Compartilhe!